ECONOMIA CIRCULAR
E CADEIAS DE VALOR

LIDERANÇA

Navigator Forest Portugal
ForestWISE

INVESTIMENTO

1,4M€

Slide Síntese A 3ª linha de atuação é liderado pela Navigator Forest Portugal e pelo ForestWISE, e conta com um investimento de 1,4 milhões de euros para a aplicação de tecnologias e conceitos de floresta 4.0 que visam aumentar a eficiência e sustentabilidade das cadeias de abastecimento, da logística e das operações florestais em Portugal. Saber mais Slide Exploração e Logística Sustentável Um dos focos da 3ª linha de atuação é a implementação de atividades que vão contribuir para a modernização e transição digital da exploração e logística florestal. Saber mais Slide Mecanização, Automatização e Robotização Esta área de atuação da 2ª linha de atuação irá utilizar a mecanização, automatização e robotização dos equipamentos para melhorar a eficiência das operações florestais. Saber mais

SÍNTESE

A sensorização, a robótica, a automação e a respetiva integração com sistemas avançados de planeamento e apoio à decisão são as principais tecnologias que estarão em foco nestas estratégias.

Desta forma, será possível impulsionar a transição digital das operações florestais, através da utilização de equipamentos de nova geração e processos de decisão mais ágeis.

Este PPS tem como objetivo reduzir os impactos das operações florestais no solo, aumentar a segurança dos operadores e reduzir custos através da otimização ao longo da cadeia, contribuindo para uma economia mais verde e para a neutralidade carbónica.

A 3ª linha de atuação foca-se nas seguintes áreas:

Desta forma, será possível impulsionar a transição digital das operações florestais

EXPLORAÇÃO E LOGÍSTICA
FLORESTAL SUSTENTÁVEL

A maioria da gestão das operações florestais é feita de forma empírica e com base em informação escassa

O rePLANt vai contribuir para a otimização da floresta existente, adequando os meios e as operações florestais à realidade da floresta nacional, através da procura de soluções menos tradicionais e da recolha de informação sobre as operações e rendimentos dos equipamentos utilizados.

Atualmente, a maioria da gestão das operações florestais é feita de forma empírica e com base em informação escassa, incompleta e raramente partilhada entre os vários intervenientes, resultando numa perda de eficiência e desperdício de recursos.

Consequentemente, é necessário otimizar a logística e as cadeias de valor através da partilha de informação e da adequação dos recursos disponíveis, de forma a que a exploração florestal seja mais sustentável e eficiente.

ATIVIDADES

Nesta área de atuação, as atividades passarão por:

Desenvolvimento de novas técnicas de preparação do terreno, de fertilização de cada parcela e de defesa contra os incêndios

Desenvolvimento de novos modelos de organização da cadeia logística

Desenvolvimento de práticas de reutilização do material excedente para fins energéticos ou outros

Desenvolvimento de sistemas de partilha de informação estruturados entre as diferentes máquinas, meios de transporte e intervenientes

Análise dos dados disponíveis de forma a aumentar a qualidade e segurança do trabalho florestal

MECANIZAÇÃO, AUTOMATIZAÇÃO E ROBOTIZAÇÃO

A limpeza do mato continua a ser realizada manualmente, com custos elevados e baixa eficiência

A 3ª linha de atuação vai adaptar as novas tecnologias e equipamentos à realidade da floresta portuguesa, aplicando o conceito de Floresta 4.0 através de tecnologias de informação, de automação e de digitalização dos processos da cadeia de valor.

Apesar do aparecimento de novas formas de trabalhar, não houve em Portugal uma evolução tecnológica nos equipamentos utilizados. A limpeza do mato, por exemplo, continua a ser realizada manualmente, com custos elevados, com baixa eficiência e com riscos elevados para os trabalhadores.

Assim, torna-se crucial adaptar as soluções inovadoras de automação, sensorização e recolha de dados remota à especificidade das operações e dos equipamentos florestais existentes em Portugal, dando resposta às necessidades das empresas do setor e contribuindo para a disseminação destas novas tecnologias.

ATIVIDADES

As atividades englobadas nesta área de atuação são:

Melhoria dos equipamentos existentes, de forma a que sejam capazes de analisar o terreno, transmitir informação e realizar as operações florestais com eficiência ambiental e a custos compatíveis com a economia do processo e do produto

Desenvolvimento de novos equipamentos inteligentes de preparação dos solos, que reduzam o risco de incêndios através do controlo dos matos